O vínculo entre papai e bebê

O vínculo entre papai e bebê

De vez em quando, durante os primeiros dias inebriantes após o nascimento da minha primeira filha, eu me pego olhando para ela, como que em transe, maravilhada com cada coisinha que ela fez. Claro, demoraria um bom tempo antes de ela realmente fazer algo verdadeiramente notável, mas, de alguma forma, eu achei tudo milagroso, do cheiro de seu cabelo e suas mãos delicadas (completo com unhas escandalosamente afiadas), as bufadas e respiração suave quando ela estava acordada e o olhar de pura paz quando ela dormia.

Papai em treinamento

Depois de alguns dias disso, fui tirado do meu devaneio por um súbito coque de realidade: havia muito mais em ser um pai do que apenas olhar para a minha bebê. Se eu realmente queria construir o tipo de relacionamento com ela que eu tinha sonhado, eu teria de ir lá e sujar as mãos (metaforicamente, é claro. Eu já tinha trocado uma tonelada de fraldas...). O problema era que, sem nunca ter passado muito tempo em torno de bebês, eu não tinha absolutamente ideia alguma do que fazer. Não sendo do tipo que pede ajuda (eu sei, eu sei, é uma coisa de homem), havia realmente apenas uma maneira de aprender o que eu precisava. Então, eu fechei os olhos, respirei fundo e mandei ver.

Dentro de minutos, eu tive uma epifania importante: já que minha filha não sabia tanto quanto eu, ela foi incrivelmente indulgente. Ao longo das primeiras semanas de vida dela, cometi dezenas de erros (nenhum que pusesse sua vida ou saúde em risco, fico feliz em dizer isso). Mas também descobri algumas maneiras simples de interagir com ela que ela realmente parecia curtir.

O poder do toque

A primeira descoberta foi que ela adorava quando eu a segurava. Ela geralmente preferia meus braços, mas depois que eles ficaram dormentes e minhas costas começaram a doer, ela ficava perfeitamente feliz em um canguru. Ela também adorava quando eu falava com ela. No começo eu me senti um pouco bobo sobre a coisa toda. –Ela claramente não tinha ideia do que eu estava dizendo, –mas minha voz parecia acalmá-la. Eu contava a ela sobre o meu dia, sobre o que estava acontecendo nas notícias e que estávamos vendo quando saíamos para passear.

Um conselho importante:

Como as cabeças dos bebês são relativamente grandes e seus músculos do pescoço não são muito bem desenvolvidos, as cabeças tendem a ficar bastante moles nos primeiros meses. Portanto, é fundamental não se esquecer de apoiar a cabeça do bebê –por trás– em todos os momentos e evitar movimentos repentinos ou bruscos.

O treino com as fraldas

Outra importante descoberta foi que trocar as fraldas dela era realmente uma ótima maneira para nós dois nos conectarmos. Isso também me deu a oportunidade de acariciar a barriga macia dela, fazer cócegas em seus joelhos e beijar seus dedinhos.

Brincando e crescendo

Como um monte de papais de primeira viagem, eu não sabia muito sobre o desenvolvimento da criança. E eu fiquei, francamente, um pouco decepcionado quando descobri que demoraria muito, muito tempo antes de minha filha poder jogar bola comigo. Mas eu aprendi bastante cedo que havia outras maneiras de brincar com ela. Eu lia histórias, brincava de "achou", fazia caretas e até mesmo rolava delicadamente no chão com ela. Quanto mais encorajador eu era,— fosse verbalmente ou com sorrisos e risos, —mais ela gostava. Mas sua atenção era mais curta do que eu pensava (ou esperava) que seria. Cinco minutos mais ou menos era o seu limite. Depois disso, ela começava a chorar ou ficar agitada, ou simplesmente olhava para mim como se estivesse entediadíssima.

Pensando em tudo isso depois de alguns anos, foi definitivamente um pouco assustador, –e não há falta de "eu deveria, poderia ou teria feito...". Eu sei que o que a minha filha e eu fizemos juntos quando ela era um bebê fez uma enorme diferença no meu relacionamento com ela.

Também podem te interessar:

Fraldas

Pampers Recém-Nascido

Nossa fralda mais seca e mais suave